Banco pode fornecer endereço de devedor de cheque sem fundos

Contribuinte paranaense pode usar precatório para pagar impostos
17 de maio de 2012
TJSP determina indenização por queda dentro de supermercado
24 de maio de 2012
Exibir tudo

A 4ª turma do STJ decidiu que o banco deve fornecer o endereço de emitente de cheque sem fundos, se determinado pela Justiça. De acordo com o entendimento, ordem nesse sentido não viola a privacidade nem o sigilo bancário do consumidor.

Ação de um credor, que entrou com pedido de exibição de documentos contra a instituição financeira, foi julgada procedente em primeira e segunda instâncias. O banco, no entanto, recorreu ao STJ argumentando que a ordem violava o sigilo bancário e normas de proteção ao consumidor.

O ministro Luis Felipe Salomão rejeitou os argumentos da instituição bancária e apontou que o sigilo bancário é norma infraconstitucional e não pode ser invocado de modo a tornar impunes condutas ilícitas ou violar outros direitos conflitantes.

De acordo com ele, em casos como este, os terceiros têm dever de colaboração com o Judiciário. O fornecimento dos dados cadastrais do cliente serve à preservação da autoridade jurisdicional, à utilidade do processo e ao resguardo do direito fundamental de ação do autor.

Com relação aos direitos do consumidor, Salomão afirmou que, apesar do CDC considerar abusiva a entrega de dados bancários a terceiros pelos fornecedores de serviços, ele impõe que se compatibilizem a proteção ao consumidor e as necessidades de desenvolvimento econômico.

Ele citou ainda que, de acordo com o STF, a norma constitucional que impõe a defesa do consumidor é de eficácia limitada, e não é incompatível com a norma infraconstitucional que não contraria ou inviabiliza claramente a disposição programática da CF/88.

 

Resp: 1159087

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *