Supermercado ganha ação na justiça contra Procon

Direito Trabalhista: o que muda durante a pandemia?
10 de abril de 2020
Plano de Prevenção Tributário para crise
24 de abril de 2020
Exibir tudo

Abstract blur supermarket retail and shopping mall interior for background

Tribunal de Justiça de São Paulo considerou inadequada aplicação de penalização pelo órgão  

O supermercado Gonçalves Pires obteve sentença favorável na Justiça contra o processo administrativo do Procon, pois, foi considerado ilegal e abusivo ao estabelecer penalidade e multa desproporcional para situação não violadora da legislação. A decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo foi publicado no último dia 14.

A empresa supermercadista entrou com a ação para solicitar a anulação do auto de infração pelo Procon, que lhe impôs multa por, supostamente, ter infringido a legislação ao não dispor as bebidas alcoólicas em locais ou estandes específicos, de forma distinta dos demais produtos expostos à venda.

No entanto, como ficou comprovado na ação, ainda que próximas das demais, as bebidas alcoólicas estavam dispostas em locais específicos, com a devida sinalização, cumprindo o dever de informação, sem a possibilidade de confusão pelo consumidor.

Fábio Ferraz, sócio do Mamere & Ferraz Advogados, escritório de advogados pioneiro no setor supermercadista, esclarece a decisão: “Com base no escopo de proteção objetivado pela norma, é preciso que o consumidor tenha a informação correta, de modo claro, sem chances de confusão e, mais do que isso, ciente dos riscos próprios ao consumo da bebida alcoólica. E isso ele tinha neste caso”.

“Fato é: a lei não define a medida de distanciamento dos produtos. Estando o agente fiscal diante de um hipermercado, caracterizado por grandes corredores, inúmeras prateleiras e espaço, parte-se de determinada ideia de distanciamento. No entanto, não se pode aplicar tal parâmetro a um mercado de pequeno porte, com espaço limitado e prateleiras restritas”, ressalta Fábio.

Além disso, é importante mencionar que muito provavelmente a lei não determina a distância ante a complexidade das relações e situações fáticas.

Desta forma, ficou setenciado no caso a anulação do auto de infração, bem como a penalidade aplicada no processo, determinando, também o cancelamento da respectiva CDA e do protesto. Procon, ainda, foi condenado ao pagamento das custas e despesas processuais, bem como honorários advocatícios. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *