Cobrança de diferenças de correção monetária prescreve em 5 anos

Base de cálculo de comissão deve considerar preço pago pelo cliente sem qualquer desconto
10 de julho de 2012
Estão suspensos todos os processos sobre renúncia de aposentadoria com devolução de valores
10 de julho de 2012
Exibir tudo

Jurisprudência é pacífica no sentido da não aplicação do prazo de 30 anos para as hipóteses em que se busca a alteração dos saldos das contas do PIS/Pasep, tendo em vista a inexistência de semelhança entre esse programa e o FGTS.

É de cinco anos o prazo prescricional de ação promovida contra a União por titulares de contas vinculadas ao PIS/Pasep visando à cobrança de diferenças de correção monetária incidente sobre o saldo dessas contas, nos termos do art. 1º do Decreto-Lei 20.910/32. A decisão é da 1ª Seção do STJ e se deu em julgamento de recurso repetitivo.

A Seção, seguindo voto do relator, ministro Teori Albino Zavascki, destacou que a jurisprudência do STJ é pacífica no sentido da não aplicação do prazo prescricional de 30 anos para as hipóteses em que se busca, com o ajuizamento da ação, a correção monetária dos saldos das contas do PIS/Pasep, tendo em vista a inexistência de semelhança entre esse programa e o FGTS. Com isso, o colegiado proveu recurso da Fazenda Nacional para restabelecer sentença de 1º grau.

No caso analisado, a Fazenda interpôs recurso no STJ para reformar decisão do TRF5 que entendeu que a prescrição seria de 30 anos, "por simetria com o FGTS". Com base nesse entendimento, o Tribunal deu provimento à apelação para considerar devida a incidência de expurgos inflacionários do IPC no saldo das contas.

A União sustentou que a decisão de 2º grau teria violado o art. 1º do Decreto-Lei 20.910. Segundo a representação, "dado o decurso de mais 5 anos entre o período de aplicação dos índices de correção monetária pleiteados (1989 e 1990) e o ajuizamento da ação (2005), resta configurada a prescrição da pretensão de pagamento dos valores tidos por expurgados".

Repetitivo

O julgamento se deu pelo rito do art. 543-C do CPC. Assim, todos os demais processos sobre o mesmo tema, que tiveram o andamento suspenso nos tribunais de 2ª instância desde o destaque do recurso para julgamento na 1ª Seção, podem ser resolvidos com a aplicação do entendimento fixado pelo Supremo.

A intenção do procedimento é reduzir o volume de demandas vindas dos TJs dos estados e dos TRFs, a respeito de questões jurídicas que já tenham entendimento pacificado no STJ.

Recurso Esp. nº: 1205277

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *