Anotação de dispensa por justa causa na CTPS enseja indenização por dano moral
20 de julho de 2012
Nova regra da Anac prevê indenizar, na hora, perda de mala
25 de julho de 2012
Exibir tudo

Empresas que obrigam seus funcionários a fazer ginástica laboral fora do período de trabalho correm o risco de pagar horas extras aos seus funcionários. Uma ex-empregada da PepsiCo do Brasil obteve na Justiça o direito a receber o benefício. O Tribunal Superior do Trabalho (TST) manteve decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Paraná.

Segundo o TRT, a funcionária trabalhava das 22h30 às 6h. Antes de bater o ponto, entretanto, ela gastava 20 minutos trocando a roupa e realizando a ginástica. Após a atividade, registrava a entrada na companhia.

O TRT entendeu que, durante a atividade física e a troca de roupa, a trabalhadora estava à disposição da empresa, conforme o artigo nº 4 da CLT. Por essa razão, a PepsiCo deveria pagar 20 minutos de horas extras diárias. Em seu voto, a ministra Kátia Magalhães Arruda disse que a decisão está de acordo com a Súmula nº 366 do TST, segundo a qual a variação de até cinco minutos não é considerada jornada extraordinária.

Para advogados atuantes na área a decisão serve de alerta para os empregadores. As empresas devem incentivar atividades físicas sem tornar obrigatória a presença do funcionário.

Por meio de nota, a Pepsico afirma que "cumpre a legislação vigente em todos os países onde opera e respeita as decisões judiciais definidas pelos tribunais".

Fonte: Valor Econômico – Legislação & Tributos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *