Justiça condena Amico Saúde a custear cirurgia bariátrica de paciente com obesidade mórbida

Instituição bancária é condenada a indenizar, por dano moral, cliente cujo cartão de crédito foi cancelado sem prévio aviso
6 de fevereiro de 2013
Eletropaulo indenizará mulher e filho de trabalhador eletrocutado quando limpava piscina
19 de fevereiro de 2013
Exibir tudo

Em recente decisão proferida pelo MM. Juízo da 10ª Vara Cível do Fórum Central João Mendes Jr., Comarca da Capital de São Paulo, a seguradora de Saúde Amico foi condenada a custear a internação e realização de cirurgia bariátrica de paciente com quadro de obesidade mórbida.

A decisão confirmou a medida liminar concedida anteriormente, onde fora determinada a realização da cirurgia e o custeio da internação e medicamentos, sendo que caso o plano de saúde não cumprisse com a determinação judicial, deveria arcar com multa arbitrada em R$ 10.000,00 (dez mil reais).

Após todo o procedimento pré operatório, a paciente recebeu um comunicado do plano de saúde negando autorização para a realização do procedimento cirúrgico, sendo que tal decisão foi fundada na alegação de que a paciente já possuía quadro de obesidade quando contratou o plano e, por este motivo, para a realização da cirurgia, deveria aguardar o prazo de carência para doenças pré existentes.

Segundo orientação do Consenso Bariátrico Emanado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica é considerado em grau de obesidade mórbida, pacientes com IMC > 40, sendo que a paciente ao contratar o plano de saúde possuía IMC < 33 o que já derruba a tese utilizada pelo plano de saúde.

O advogado da paciente, Dr. Fábio Ferraz Santana, sócio do escritório Mamere & Ferraz Advogados afirma que "se tornou rotineira a negativa dos planos de saúde para realização de procedimentos ambulatoriais ou cirúrgicos a seus conveniados". Destaca ainda que "aqueles que sentirem-se lesados devem buscar o judiciário para obter o cumprimento do contrato firmado com os planos de saúde".

Íntegra da decisão pode ser obtida através do website do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Processo nº 0199201-47.2012.8.26.0100.

Fonte: Mamere & Ferraz Advogados

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *